SOBRE A ASSOCIAÇÃO
Nossa História
Fazenda Furquilha
Estatuto Social
Calendário de Atividades
Visão de Futuro
Localização
Entre em contato
     ASSUNTOS
Cerimônias Ritualísticas
Arte
Bioarquitetura
Cooperação
Mantras e Orações
Meditação
Meio Ambiente
Paisagismo
Palestras, Cursos e Vivências
Pensamentos
Qualidade de Vida
Terapias Alternativas
Yoga
     VARIEDADES
Download Informativos
Boletim Informativo
Colunistas
Galeria de Fotos
Links Úteis
Loja Virtual
Rádio ARN

Receba nosso Boletim informativo por email

Seu Nome

Email

Acesso Associados

Usuario

Senha


Buscar Artigos

  Marilu Martinelli
A Ascensão da Energia Feminina – O Despertar da Deusa

Nesta era planetária enfrentamos como desafio maior a ruptura do padrão do desamor que alimenta o medo e a culpa. Os esteios da dominação como eixo em torno do qual nossa sociedade patriarcal e competitiva ainda gira pretensiosamente, em busca de controle e previsibilidade estão abalados pelo despertar da energia da Deusa. Sabemos que criamos uma sociedade que procura adaptações ao invés de transformações e que se movimenta impulsionada apenas pela racionalidade e pela objetividade. O cerceamento dos talentos e anseios mais elevados do ser humano sempre levou a brutalidades, tristeza, irreverência e guerras. Estamos vivendo sob a regência da violência e da ganância. O medo alimenta a ignorância e a arrogância. O medo de ficar pobre, de fracassar, de errar e do castigo divino, da solidão, da morte e outros mais, nos alijaram da alegria de viver e nos fez correr atrás de resultados que se adequassem ao regime de imediatismo e urgência. O predomínio da razão sobre o sentimento nos conduziu por caminhos de competição, isolacionismo, dor, desalento e toda sorte de separatividade. A racionalidade, a visão objetiva e material de todas as coisas, se constituiu até o presente momento no instrumento mais eficiente para o entendimento dos movimentos sociais e do relacionamento humano nesses últimos 400 anos. Nesta formação cultural a racionalidade é identificada com o homem, a força masculina, e a mulher, a força feminina, foi identificada com a emotividade e a sensibilidade. Ora, se a racionalidade é eleita como a forma ideal de diálogo com a vida; a subjetividade, o sentimento, a intuição e a espiritualidade ficam ao largo, consideradas como de menor importância. Sabemos que o universo e tudo que existe, desde as partículas elementares até as mais complexas manifestações de energia e formas de vida, são complementares. Como então separar as polaridades masculina e feminina? Isto acontece porque esquecemos de reconhecer dentro de nós, os valores humanos, inerentes à condição humana, e que preenchem a vida de significado. Atualmente o homem perplexo e sobrecarregado pela cobrança do sucesso a qualquer custo tem o coração cheio de cicatrizes deixadas pelas concessões que sua alma submetida teve que fazer para poder corresponder ao padrão vigente. Por outro lado, a mulher relegou a Deusa que palpita dentro dela, distanciou-se do seu Ser interior, sua subjetividade, e perdeu sua identidade profunda. A moda padronizada e a imposição de escolhas e prioridades pasteurizaram a expressão do feminino; e em decorrência a mulher desvalorizou sua singularidade. A energia da Deusa destrói estereótipos e confere autonomia e superação de limites impostos pelos padrões e modismos. O Princípio Feminino está além das leis físicas e racionais; é o que nos nutre com generosidade, acolhimento, inspiração e grandeza de propósitos. A energia de Deus-Mãe é libertadora porque revitaliza o intelecto, o coração, a alma e o espírito. É a força motriz que renova a vida e traz o bálsamo para as feridas da alma, dissolvendo mágoas nas águas purificadoras e férteis do perdão. Manifesta-se como o despertar para os níveis mais sutis da consciência e da existência. O movimento internacional em defesa dos direitos da mulher foi um divisor de águas no século XX. Historicamente foi um marco, uma conquista da civilização moderna. Porém, grande parte das mulheres precipitou-se e seguiu o modelo patriarcal de comportamento. Desse modo incorporou a mesma distorção de valores que fez o homem infeliz e solitário. Conseqüentemente, a mulher esqueceu de escutar a canção de sua alma, e negou suas características psíquicas básicas. O relacionamento homem-mulher sofreu abalos consideráveis com tudo isso. É verdade que a mulher se impôs como força de trabalho mostrando-se competente em atividades antes consideradas como terreno exclusivamente masculino, e alguns dos alicerces desse modelo social, que agoniza nesse fim de século, sofreram rachaduras consideráveis. A presença feminina em cargos de mando e decisão colocou alguns conceitos estratificados de comportamento no mundo dos negócios em discussão e a família sofreu transformações estruturais. O homem diante dessa nova mulher, que não pede passagem e que não se dobra ao formato previsível de comportamento, rompendo padrões e expectativas, está assustado, e acuado. Ele se vê obrigado a reformular conceitos e buscar o ponto de contato e o modo de lidar com essa desconhecida. Ela se dividiu entre os desejos naturais de sua feminilidade e o desejo de produzir e se impor socialmente. Homens e mulheres se viram de repente dentro de um novo sistema de relações. A mulher rompeu amarras e tabus num campo eminentemente masculino de ação, mas pagou caro por isso. Ela assumiu posições radicais e agressivas porque se sentiu insegura e injustiçada. Para se auto-afirmar sabotou a si mesma. Como foi até então, pária em sua própria sociedade e cultura, a mulher investiu no modelo patriarcal ultrapassado, ou seja, procurou imitar o jeito masculino de ser e agir nas profissões, e nos relacionamentos. O rico campo mental da mulher e sua sensibilidade foram inibidos e condicionados por um modelo social falido. Tudo isso trouxe mais desentendimento e redução do potencial amoroso de ambos os sexos no que se refere a real comunicação e manifestação de afeto. Nossa sociedade profundamente dualista divide e separa o ser humano da natureza, homem de mulher, sexo de amor, trabalho de alegria, corpo de espírito e Deus do mundo. Essa cisão origina competição e a famigerada lei do mais forte implica sofrimento e distorção de valores. A competição acirrada alimenta solidão e em ultima estância destruição. Narrativas sagradas de todas as Tradições oferecem exemplos: O assassinato de Abel por Caim, na Bíblia, os desatinos dos Kauravas contra os Pandavas no Mahabaratha (escritura sagrada hindu), a disputa foi o motivo que levou Seth a matar Osiris na mitologia egípcia, fomentou a batalha entre Osmud e Ariman da mitologia persa e tantas outras. É a competição que dissocia o coração do raciocínio e que afasta amigos, separa casais, e pais de filhos porque afasta as pessoas de si mesmas. A raiz de todas as guerras entre os povos é a competição porque negando a unidade e a interdependência de tudo que existe nos coloca contra o natural e espontâneo desejo de compartilhar e cooperar. A superação do padrão do medo e da ganância que alimenta a competição começa a acontecer pela emergência da energia de Deus-Mãe, o Feminino Cósmico. O despertar da Deusa promove o casamento psicológico das energias masculina e feminina dentro de nós e revela a inteligência do coração, o poder do espírito. Deus-Mãe sai do exílio e mostra sua doce face materna revelando o poder do Amor. O amor é a energia que nos move em direção ao outro e direciona a criatividade para o bem e o belo trazendo consigo doçura, iniciativa, auto-estima, coragem, perdão e fraternidade. O amor se mostra como o ponto de combustão para as transformações fundamentais e nos convoca a transcender defeitos e falsos valores. Deus-Mãe nos permite compreender que temos um destino interior e um destino exterior e que eles não são incompatíveis. O destino interior nos ensina como agir no mundo e porque agir. O destino exterior está fora do nosso controle, mas, podemos amenizar ou intensificar os efeitos dos acontecimentos externos dentro de nós. Homens e mulheres se vêm obrigados a redefinir a si mesmos e a estabelecer conexões entre a razão e a sensibilidade, pelo despertar de valores fundamentais. Nunca o mundo precisou tanto de beleza, brandura, companheirismo, compreensão, gentileza interior, reverência, bondade, coragem e criatividade. A espiritualidade que a Deusa faz renascer como dimensão natural do potencial humano mostra que a intuição não se opõe a razão, mas é seu lustro e lastro. A Deusa nos convoca para colocar o amor em movimento. A ação consciente, competente e amorosa fluirá naturalmente de uma personalidade a serviço do espírito. Nossas polaridades masculina e feminina em comunhão fortalecerão a dialética entre nossa natureza humana e nossa natureza divina. A Deusa desperta as fontes de amor por todo o mundo, e uma nova realidade surge da mudança simultânea do ser humano e da sociedade. O mundo melhora quando o ser humano melhora. Nós somos o mundo e um mundo melhor depende da qualidade das ações de cada um. O amor tem como normas a solidariedade, a complementaridade, o carinho, o respeito às diferenças de raça, sexo, cultura e religião. Faz brotar no peito a gratidão e a reverência, e por isso nos predispõe naturalmente para o serviço altruísta. O amor é doação sem exigências, e busca sempre o ponto de contato, o encontro ao invés do confronto. O amor é a renovação e a celebração da vida. A Deusa provoca um despertar espiritual global e está fornecendo as coordenadas sobre as quais uma nova consciência de unicidade está sendo edificada. Homens e mulheres ao entregarem-se ao poder da Deusa formam uma maravilhosa e revolucionária parceria. Saem da rivalidade e do regime de escassez criado falta de fé e entram confiantes na energia de abundancia e plena potencialidade do universo. A mulher até pouco tempo temia a força da Deusa dentro de si, por isso sua feminilidade sofreu danos internos e externos. Sofreu porque desvalorizou sua natureza interna compassiva, intuitiva, criativa e criadora, seu poder de oráculo, esteio e ouvinte carinhosa. O despertar do Feminino Cósmico recupera na mulher a consciência do seu poder de matriz como divina expressão da Mãe Natureza que é, e faz do amor a maneira de ver e viver a vida. A energia da Deusa é a coluna sustentadora do contato entre o mundo exterior da sobrevivência e o mundo interior da transcendência. Na mulher a natureza se revela em todo o seu esplendor e generosidade. Deus-Mãe, a potencia criadora de todas as manifestações de vida, é a fonte dos mistérios da geração e expansão de seres e universos. Mãe Divina, Mãe do Universo, Mãe do Mundo, Mãe da Natureza, Milagre da vida e Nutriz de ternura infinita nos prepara para mais uma volta da espiral da evolução. Desponta aos poucos a consciência de que fazemos parte da grande família planetária e cósmica. A energia da Mãe Divina se derrama sobre o mundo e reluz soberana anunciando um ciclo luminoso de civilização. Deus Mãe estabelece o primado do amor impondo transformações estruturais na consciência de homens e mulheres. Sob a proteção e inspiração da Deusa viver é uma oportunidade sagrada, não é apenas fruição dos sentidos, mas uma profissão de fé e fervor amoroso diante da grandeza da vida.



Visualização criativa para ancorar a energia da Mãe Divina

Vivemos num mundo rico de estímulos aos nossos sentidos. Somos influenciados por sons, cores e cheiros e pelo toque físico, e registramos tudo isso como inúmeras impressões mentais. Mesmo nos nossos momentos de lazer ou quando estamos inativos, somos estimulados pela televisão, livros, e pela tagarelice mental cheios de pensamentos sucessivos. O mundo exterior nos exige muito e costumamos nos esquecer do nosso mundo interior. A mente consciente sobrecarregada limita nossa criatividade,o subconsciente é o intermediário entre o consciente e o inconsciente, a fonte de nossa memória cósmico-espiritual. Sem o diálogo com os aspectos mais sutis da mente não podemos nos autoconhecer. É fácil aprender técnicas de visualização focando a mente no imaginário e nos identificando com as experiências que teremos, guiados pela visão interior. Convido você para uma experiência de visualização criativa.



Integração das polaridades masculina e feminina

Sente-se confortavelmente, descruze as pernas, feche os olhos suavemente e relaxe todo o seu corpo. Respire naturalmente. Escolha um lugar tranqüilo, e viva esse momento íntimo plenamente.
Deixe sua mente vazia de pensamentos e procure sem forçar visualizar um bosque e você caminhando através de uma alameda em direção a um portão ladeado por dois pilares. Eles são lindos e antigos. Um de mármore branco e o outro de ônix, mármore preto. Do seu lado esquerdo está o pilar branco, nele está escrita uma mensagem para você. Veja se consegue ver qual é. De olhos fechados repita a mensagem mentalmente. Registre que emoção ela lhe causou. A sua direita está o pilar negro, nele também está uma mensagem escrita. Leia e repita mentalmente. Sempre de olhos fechados; observe o que a mensagem lhe causou. Veja-se passando entre os dois pilares. Observe qual a sensação que isso lhe provoca. Atravessou os pilares e encontrou aberto sobre uma mesa, um velho pergaminho. Nele há um recado para você. Sempre de olhos fechados observe qual é a mensagem e o que você está sentindo. Visualize seu cérebro, os dois hemisférios cerebrais, e um fio de luz azul muito intensa unindo os dois hemisférios. Permita-se sentir sem julgamentos. Respire fundo, mexa suavemente os dedos das mãos e dos pés, e abra os seu olhos.

O significado dos pilares é o aspecto dual da vida. O pilar preto é seu lado feminino onde o inconsciente e o espírito predominam, o pilar branco é o seu lado masculino onde o consciente e o material se sobrepõem. Caminhar entre eles é entrar no domínio da psique, da alma. Neste exercício você terá percepções intuitivas sobre esses seus dois lados; e poderá se auto-observar e sentir o efeito da entrada num novo nível de consciência. A mensagem no pergaminho é o contato com o subconsciente revelando o que é preciso ser mudado para sanar alguma dor ou aflição. Faça uma auto-análise corajosa, sem recriminações ou auto-piedade e descubra seu poder de encontrar soluções.



Meditação para energizar amorosamente o lar

Sente-se confortavelmente, relaxe toda a musculatura do seu corpo, feche os olhos e procure não pensar em nada. Segure em sua mão direita o cristal. Visualize uma intensa luz dourada inundando toda a sua casa e banhando seu corpo plenamente, veja seus familiares cheios de luz e criados e animais caso os tenha iluminados. Sinta o cristal em sua mão se aquecer carregado dessa energia poderosa. Sinta o seu coração de abrir generosamente e ser preenchido por um imenso amor. Sempre segurando o cristal leve-o até o centro de sua cabeça e visualize um triângulo de luz dourada girando sobre o topo de sua cabeça. Acima desse triângulo reluzente está uma grande pomba branca feita de luz muito brilhante. Sinta o cristal vibrar em sua mão alimentada por essa energia de amor e paz. Leve agora o cristal até o seu peito na altura do coração, e com todo o amor do qual você seja capaz procure enviar sua energia amorosa para esse cristal. Sinta que você e a Luz são um só. Agradeça a Deus Pai-Mãe por esses momentos de comunhão. Respire fundo, solte lentamente o ar. Abra seus olhos e coloque o seu cristal no lugar que você elegeu. Esse cristal servirá de antena para a energia cósmica de amor e harmonia abastecer seu lar. Faça essa meditação diariamente ou pelo menos uma vez por semana. Lembre-se nenhum sacrifício é suficiente para a conquista da alegria e da paz. Seja feliz.


Marilú Martinelli

Jornalista. Atriz. Escritora. Educadora Especialista em Educação em Valores Humanos e Formação de Lideranças. Conferencista Internacional. Professora de Filosofia Oriental e Mitologia Universal.

Site: www.marilu.martinelli.nom.br







Associação Rural Natureza © Copyright 2007
Fazenda Furquilha - Bairro Furquilha
Monte Alegre do Sul - SP

By Frequência