SOBRE A ASSOCIAÇÃO
Nossa História
Fazenda Furquilha
Estatuto Social
Calendário de Atividades
Visão de Futuro
Localização
Entre em contato
     ASSUNTOS
Cerimônias Ritualísticas
Arte
Bioarquitetura
Cooperação
Mantras e Orações
Meditação
Meio Ambiente
Paisagismo
Palestras, Cursos e Vivências
Pensamentos
Qualidade de Vida
Terapias Alternativas
Yoga
     VARIEDADES
Download Informativos
Boletim Informativo
Colunistas
Galeria de Fotos
Links Úteis
Loja Virtual
Rádio ARN

Receba nosso Boletim informativo por email

Seu Nome

Email

Acesso Associados

Usuario

Senha


Buscar Artigos

  Sônia Mesquita
A importância da mente


Parte do Divino Discurso de Sathya Sai Baba: “FAÇAM DA SUA MENTE O MESTRE DOS DESEJOS”
Data: 06/05/2007 – Ocasião: Dia de Easwarama – Local: Kodaikanal

Encarnações do Amor!
O Dia de Easwarama é celebrado para lembrar o dia em que
Eswarama deixou seu corpo físico.
“O corpo é constituído de cinco elementos e
Tende a perecer, cedo ou tarde,
Mas aquele que vive na mente não nasce e nem morre.
Não tem apego a nada e é a testemunha eterna.”
(Poema em télugo)

Compreendam a importância da mente
As pessoas são iludidas pelo apego ao corpo. O corpo é efêmero, temporário e impermanente. Tudo que nasce é transitório. Tudo que há no mundo tende a perecer e somente uma coisa permanece para sempre: o que está na mente. Mas muitos a chamam de “mente de macaco”(1). Não. Vocês pertencem à humanidade e nada têm a ver com a “mente de macaco”. A mente, na realidade, é a natureza do Eu. Vocês devem empreender grandes esforços para compreender sua verdadeira natureza. Somente aqueles que controlam a própria mente podem ser chamados de seres humanos. Muitos neste mundo receberam alta educação. Além disso, muitos se tornaram mestres em várias formas de conhecimento e estão envolvidos em tarefas de responsabilidade. Mas não podem ser chamados de seres humanos no verdadeiro sentido da palavra, pois não possuem controle sobre suas mentes. Todas as formas de pensamentos bons e maus surgem na mente. Mantenham-na longe do mal.
Vocês devem aceitar somente o que é bom. Nunca permitam que sua mente se associe ao mal. Aquele que deixa sua mente seguir seus instintos e caprichos é, na realidade, um macaco e não um ser humano. Vocês devem tornar sua mente o centro de sua consciência. Deixar a mente correr solta é como desprezar o próprio princípio da vida. Por isso, transformem-na na base de todos os aspectos de sua vida.

Como são os sentimentos, assim é o resultado
No momento de minha partida para África Oriental, Easwarama tentou dissuadir-me de ir, dizendo: Swami! Ouvi dizer que há muitos animais ferozes naquelas florestas e o local está cheio de todo tipo de perigo. Por isto, não deve ir lá. O que quer que deseje, virá até você. . Então, por que quer ir até lá?” Respondi-lhe: “Não estou indo lá para ver os animais selvagens. Estou indo lá para responder às preces amorosas de Meus devotos”. Quando estive lá, os devotos da África Oriental prepararam pequenos aeroplanos. Sobrevoei a floresta num deles e havia milhares de elefantes selvagens na floresta de Kampala. Parecia que toda a floresta estava repleta de elefantes. Tinha levado comigo algumas bananas e dei uma a cada um deles. Todos se regalaram ao comê-las. Os bisões também podiam ser vistos aos milhares. Vimos leões deitados, aqui e acolá, na estrada. Até quando nosso jipe passou sobre suas caudas, eles não reagiram. Até os animais selvagens não nos atacarão se nossa mente for boa. Eles nos atacam apenas quando tentamos machucá-los. Quando olhamos para eles com amor, eles também nos olham com amor. Os nossos pensamentos são a causa da sua inimizade ou confiança. Peguei a câmara de um dos Meus acompanhantes, aproximei-Me dos leões e tirei fotografias. Todos estavam alegres em Me ver. Como vocês podem perceber, nenhum dos leões nos causou qualquer dano. Quando vocês se aproximam deles com a má intenção de lhes causar danos ou matá-los, eles também tentam matá-los. Jamais se aproximem deles com maus pensamentos. Na verdade, jamais olhem para qualquer ser com más intenções.

Não desenvolvam o apego ao corpo
Certa vez, estava sendo realizado em Bangalore um Curso de Verão sobre Cultura Indiana e Espiritualidade. Desta vez, Easwarama também foi Comigo. Enquanto viveu, ela sempre dizia “Swami, onde quer que Você vá, devo ir com Você”. Ela me fez prometer que nunca deixaria Puttaparthi. Eu lhe dei a minha palavra. “Onde quer que seja plantada uma árvore, apenas ali se deve permitir que ela cresça. Se for arrancada e transplantada, não terá um crescimento adequado.” Ela costumava Me pedir: “Swami! Você deve sempre residir no local onde nasceu.” Um dia, após o seu café da manhã, ela tomou uma xícara de café. Repentinamente, gritou: “Swami, Swami, Swami”. Respondi dizendo “Estou indo! Estou indo! Estou indo!” Ela pediu urgência e cheguei rapidamente. Ela pegou Minhas mãos e colocou-as sobre sua cabeça e deu seu último suspiro. Onde estava a necessidade de se manter o corpo sem vida? Por isso, enviei imediatamente o seu corpo para Puttaparthi. Enviei Ramabrahman com o corpo após dar-lhe as instruções necessárias. Aqueles que estavam presentes disseram: “Swami, você também deve ir com o corpo”, Mas recusei-Me a ir. As aulas de verão estavam em andamento e os estudantes tinham vindo de muitos países. Os estudantes pensaram que não haveria aulas naquele dia porque Swami acompanharia o corpo da Mãe Easwarama. Mas as aulas foram ministradas como sempre e compareci à segunda aula. Os estudantes ficaram surpresos: “Swami veio! Supúnhamos que Ele acompanharia o corpo da Mãe Easwarama!” Por que Eu deveria ir com o corpo? O corpo se vai, tal como vem. Eu não vim com o seu corpo, vim separadamente. Por isso, enviei seu corpo a Puttaparthi num carro com as instruções para que se fizesse um samadhi para ela. Em Putaparthi, muitas pessoas também se perguntavam “Por que Swami não veio com o corpo?” O corpo vem sozinho e se vai sozinho. Todos vêm sozinhos e se vão sozinhos. Após o encerramento dos cursos de verão, fui a Puttaparthi. Disse para todos ali “É natural o corpo nascer, crescer e morrer. Todos os corpos são assim. Portanto, ninguém deve apegar-se ao corpo”.

1 “Mente macaco” é uma expressão usada para designar a inquietação da mente que, a todo momento, muda o foco de sua atenção.
Eswarama: Mãe de Sathya Sai Baba nesta encarnação.






Associação Rural Natureza © Copyright 2007
Fazenda Furquilha - Bairro Furquilha
Monte Alegre do Sul - SP

By Frequência