SOBRE A ASSOCIAÇÃO
Nossa História
Fazenda Furquilha
Estatuto Social
Calendário de Atividades
Visão de Futuro
Localização
Entre em contato
     ASSUNTOS
Cerimônias Ritualísticas
Arte
Bioarquitetura
Cooperação
Mantras e Orações
Meditação
Meio Ambiente
Paisagismo
Palestras, Cursos e Vivências
Pensamentos
Qualidade de Vida
Terapias Alternativas
Yoga
     VARIEDADES
Download Informativos
Boletim Informativo
Colunistas
Galeria de Fotos
Links Úteis
Loja Virtual
Rádio ARN

Receba nosso Boletim informativo por email

Seu Nome

Email

Acesso Associados

Usuario

Senha


Buscar Artigos

  Marilu Martinelli
Dinheiro e Espiritualidade

Muitos dizem que dinheiro não traz felicidade, é verdade, mas sem dúvida supre necessidades básicas fundamentais, é um meio que gera possibilidades, além de garantir a sobrevivência. Temos que suprir as necessidades materiais e espirituais da nossa condição humana e nos capacitarmos para tal. Todos nós queremos a felicidade, mas nos esquecemos que ela é uma virtude, e que transcende as condições financeiras e mudanças aparentemente aleatórias da vida. Quando aprendemos a viver em harmonia com o Eu profundo, descobrimos que os ciclos da vida nos expõem às situações pelas quais precisamos passar para desenvolver plenamente nosso potencial humano. E assim nos libertamos do medo, dúvida, culpa e autopiedade, e do jogo oscilante entre prêmios e punições, e assumimos a responsabilidade sobre nossa própria conduta. Percebemos que a responsabilidade é uma dádiva e não um fardo e descobrimos que tudo o que nos acontece traz consigo as soluções. A partir daí aprendemos com nossas falhas e renascemos de nós mesmos dentro da dinâmica das transformações, e compreendemos que a existência recomeça a cada momento e nós com ela. Muitos sofrem por ter dinheiro de menos ou demais, a tal ponto que perdem a noção de preço e valor, lucro e logro. Na verdade o dinheiro tem valor convencionado e é importante como resultado material da energia aplicada no trabalho dos homens e das mulheres. Para muitas pessoas existe o conflito entre o dinheiro e a espiritualidade. Esse conflito é fortalecido pelo mito mal interpretado de que riqueza é um empecilho para a elevação espiritual. A riqueza não é o entrave para a felicidade e ascensão espiritual, o que dificulta ser feliz e evoluir espiritualmente é o apego, a avareza, a arrogância e a ganância. Alguns pensam que a elevação espiritual está atrelada a carência e privações, mas de nada adianta negar a importância do dinheiro e pensar o tempo todo em ganhar dinheiro invejando quem é rico. É preciso dar a essa energia o poder que ela tem, sem minimizar nem exacerbar sua importância. A generosidade é o valor que nos liberta desse impasse porque fortalece nossa humanidade e descontamina nossa visão sobre perdas e ganhos e amplia a compreensão das coisas do mundo e do espírito. É o valor que possibilita a criação de riquezas pessoais com propósitos grandiosos, sem prepotência, culpa nem cobranças. A generosidade resulta da fé na vida e no divino, por isso desencadeia a energia mobilizadora que resulta na realização vitoriosa de qualquer empreendimento. Ser próspero não é o bastante, é preciso gerar prosperidade. Na Bíblia a parábola do jovem rico que não consegue abdicar dos seus bens e dos seus hábitos ensina que felicidade e progresso implicam na liberdade para abrir mão, renunciar ao comodismo e ousar acreditar na vida, no novo, desconhecido e surpreendente. O jovem rico diz a Jesus que quer ser feliz e o Mestre pede que ele abandone tudo o que tem e conhece e se disponha a segui-Lo. Amedrontado, o jovem recusa o chamado de Jesus. Essa parábola explicita que o vilão não é a riqueza, mas o medo de mudar e ousar que nutre o apego, a dependência e o comodismo. Do apego surgem a inércia e a desconfiança que juntos fundamentam a ação cumulativa que busca no acúmulo um escudo protetor. Esses são fatores que tornam o coração estéril e entorpecem a criatividade renovadora, e nos impedem de saber que suprir o necessário é o suficiente. O apego faz a carência pairar como ameaça constante, e a ganância nos torna insaciáveis, gerando falsas necessidades à medida que nos alija do contentamento. Por ironia da dinâmica da vida o apego define o destino do apegado e este, buscando segurança e tranqüilidade, só encontra inquietação e sobressaltos. Nascemos naturalmente generosos e altruístas, mas pouco a pouco nos tornamos avaros e egoístas a medida que aprendemos com o comportamento de familiares e do meio social e cultural a nos relacionarmos com a vida. A família e a escola nos incutem os valores que sustentam a organização social, política e econômica e o padrão de relacionamentos. É chegada a hora da educação interromper o ciclo vicioso de enganos e permitir que a excelência humana aflore. A educação é o fio condutor dessas transformações e uma educação para o novo milênio precisa ter como eixo os valores humanos para contemplar as dimensões materiais e espirituais do ser humano. Devemos compatibilizar valores materiais e espirituais para nos livrarmos da couraça do individualismo medroso e da falta de amor. Somente assim teremos autonomia e competência para fazer a diferença e estaremos livres de ilusões que impedem que vivamos plenamente a vida. A riqueza e a prosperidade material se fundamentam na espiritualidade e a generosidade é o esteio da abundância, da parceria e da reverência pela vida. Ser generoso não é ser perdulário é saber compartilhar com alegria e desprendimento e ter confiança no semelhante, na vida e em Deus. Quanto mais generosos formos, mais livres, criativos, amorosos, felizes e prósperos seremos.

Marilu Martinelli: Jornalista. Educadora. Professora de Mitologia Universal e Filosofia Oriental. Escritora. Conferencista Internacional. Consultora Educacional e Empresarial para Formação de Lideranças em Valores Humanos. Professora da UNIBEM e UNIPAZ. Consultora para Desenvolvimento Humano e Comunicação e Expressão.
Email: gayatriml@hotmail.com
Site:www.marilumartinelli.com.br







Associação Rural Natureza © Copyright 2007
Fazenda Furquilha - Bairro Furquilha
Monte Alegre do Sul - SP

By Frequência